"Com todo o cuidado guarda teu coração, pois dele procede a vida" (Pv. 4, 23)

14 de jun de 2010

Tempo sábio... © (por Moema Queiroz)


"Dizem que tudo o que buscamos também nos busca e, se ficamos quietos, o que buscamos nos encontrará. É algo que leva muito tempo esperando por nós. Enquanto não chegue, nada faças. Descansa. Já tu verás o que acontece enquanto isto.” 



Recebi hoje essa mensagem pelo email e acabei por compartilhá-la com alguns amigos. Porque creio que estamos todos um pouco nesta expectativa. Algo que talvez nem tenhamos ainda elaborado conscientemente em forma de desejos, talvez nem tenhamos criado imagens-agentes, dessas poderosas que se cristalizam em algum vazio do universo. Mas sentimos que há um espaço a ser preenchido,  talvez à espera de suprimentos mais significativos, de alentos e encantamentos. Um desejo imenso por algo que torna-se difícil nominar, mas que é latente e quase palpável. Como aquela palavra que tentamos lembrar e que está, como dizem, na ponta da língua, a ser lançada mas que ainda não se sente pronta pra ser desvelada, então retorna até surgir tão impetuosamente na mente que a verbalizamos aos gritos, imediatamente, para que não a percamos de vez. Talvez seja esse inevitável processo de amadurecimento, do qual se é impossível se desvencilhar. Expectativa... de um alimento que está além do corpo físico, processo de alma, espírito peregrino em busca de um reencontro consigo mesmo... Gosto de pensar nessa busca que nos busca, porque então não há solidão. Só o desejo do encontro no meio do caminho. Enquanto isso aguardamos. Não de forma inerte. Talvez num silêncio ativo, numa observação constante, no infindável retorno às memórias que nos sustentam e nos tornam significantes. Passos lentos em uma caminhada que, com certeza, é intensa e com grandes surpresas, mas nem por isso menos prazenteira. Imensos e largos caminhos que, por vezes, se afunilam para nos conduzir a um único largo, talvez o menos provável em nossos desejos, mas o mais coerente com nossas paisagens edificadas ao longo do percurso. Que venha então o inusitado, pois tenho aprendido a recebê-lo com largo sorriso, não sem certo temor ou receio, mas feliz por saber que é por ele que me engrandeço e por ele faz sentido persistir. Um brinde à busca, ao inesperado e aos queridos que comigo compartilham da expectativa. Salve.


Imagem: Moema N Queiroz - Janelas do Rosário (Ouro Preto/MG)

Citação: ESTES, Clarissa Pinkola. Mulheres que correm com os lobos. Rocco. RJ,1992