"Com todo o cuidado guarda teu coração, pois dele procede a vida" (Pv. 4, 23)

26 de set de 2010

Afagos © (por Moema Queiroz)

Há fatos inesperados em nosso cotidiano que destampam uma série de emoções e sentimentos que talvez não viessem à superfície sem que estes ocorressem. Daí percebemos o quão frágeis e carentes somos. E a vontade que temos é de nos aninharmos como fazíamos quando pequenos, no colo daqueles que nos geraram e nos amam incondicionalmente. Contudo, nem sempre se é possível realizar tal afago, seja devido à distância física, espiritual, ou outro empecilho qualquer.  Hoje acordei assim, com vontade de retornar a um tempo em que éramos um corpo, unidos pelo mais lindo dos afetos, onde não havia perigos nem ameaças, bastando apenas o afago e aconchego dos toques, olhares, odores. Acordei carente de pai e mãe e irmãos e avós. E, muito embora eles estejam presentes em meu tempo de agora, mesmo físicamente distantes, meu desejo é me aninhar em seus colos afetivos e mornos, buscando um cheiro familiar que me sinalizava perspectivas seguras para aquelas horas de puro amor incondicional. Pudera hoje eu poder retroceder no tempo a esses momentos de absoluta segurança afetiva. Ainda bem que podemos resgatar, por conta desses fatos inesperados, nossas memórias. E sermos aquecidos por elas de forma tão absoluta que realmente podemos retornar ao aconchego. Basta fecharmos os olhos, respirarmos profundamente e permitirmos a viagem para esses porões afetivos, amados e abençoados que tanto nos afagam e nos fortalecem a crença de que os grises se dissiparão e inevitavelmente o curso do rio continuará em sua trajetória, vigoroso, punjente, renovador.

"  A vida de cada pessoa é como um rio correndo para Deus.
No mundo encontrarás quem te fira com os calhaus da ingratidão.
Outros tentarão turvar as águas dos teus pensamentos, lançando idéias poluentes.
Por vezes, as dificuldades te apertarão o leito da exist6encia, fazendo surgir as ondas de insegurança.
De outras vezes, depararás com as pedras do desânimo, tentando barrar-te o curso.
Em todas as situações, porém, continua seguindo, animado, pela correnteza da confiança.
Tudo passará e nenhum obstáculo conseguirá impedir que deságües no oceano do amor total, onde encontrarás a razão do teu destino espiritual."
Irmã Sheilla 
(LEVY, Clayton B. Mensagem do dia de Scheilla para você. Centro Allan Kardec Ed., Campinas, SP. 2000, Cap. 10)

Imagem: Fonte Imagens Google

16 de set de 2010

Sobre amigos e outas delicadezas © (por Moema Queiroz)

Imagem Google
"Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica..."
Vinícius de Moraes

O exercício de amar a si mesmo nenhum sentido teria sem aqueles que nos auxiliam neste percurso de crescimento. Tanto os que nos amam, os que nos confortam e se revestem de alicerces em momentos cruciais,  os que compartilham conosco dos pequenos e grandes acontecimentos, prazeirosos ou difíceis, como também os que nos impõe limites, críticas e porque não grandes dificuldades, obstáculos e desafios, seja por amor ou falta dele, pelo desafeto, pela falta de sintonia, pela não bem querência ou por não nos compreenderem. Não importa. Na verdade são instrumentos importantes dessa nossa lapidação, de nosso refinamento de alma, de construção de nosso caráter. Quando conseguimos dissipar as tormentosas tempestades, as densas brumas de nossa visão e sentimentos, percebemos claramente a finalidade destes seres divinos que transitam ao longo de nossa existência, provocando movimentos contínuos que nos impelem à ascensão.  Então a claridade nos arrebata o ser e somos tomados por esse sentimento tão generoso que é a gratidão.

Fonte: http://www.sonetos.com.br/sonetos.php?n=1481
Foto: Imagens Google

Texto de Moema N Queiroz: todos os direitos reservados.

15 de set de 2010

Silêncio...© (por Moema Queiroz)

S i l ê n c i o...
Ouço seu límpido som...
Respiro...
Cerro os olhos
e quão profundamente me enxergo.
Estou aprendendo 
a gostar de mim.

Imagem: Fonte Imagens Google

Texto de Moema N Queiroz: todos os direitos reservados.