"Com todo o cuidado guarda teu coração, pois dele procede a vida" (Pv. 4, 23)

11 de mai de 2011

O mar é uma coisa... (por Jalal ad-Din Muhammad Rumi - sec. XIII)

Entardecer azul
" O mar é uma coisa ...
a espuma, outra;
Esquece a espuma e contempla o mar noite e dia,
Tu olhas para a ondulação da espuma e não para o poderoso mar.
Como barcos, somos jogados daqui para ali.
Somos cegos, embora estejamos no brilhante oceano.
Ah! tu que dormes no barco do corpo,
Tu vês a água; contempla a Água das águas!
Sob a água que tu vês há outra água que a move,
Dentro do espírito há um espírito que o chama."


(Rumi-poesia Sufi)
Imagem: Pacífico Central - Equador/Jan 2011 (
Fotografia: Moema N Queiroz fotografia © Copyright  Todos os direitos reservados)

8 de mai de 2011

Sobre a solidão... (texto por Clarice Lispector)

“A lua dilui-se lentamente e um sol menino espreguiça os braços translúcidos...  Frescos murmúrios de águas puras que se abandonam aos declives. Um par de asas dança na atmosfera rosada.  Silêncio, meus amigos, o dia vai nascer.  A minha intimidade?  Ela é a máquina de escrever.  Sinto um gosto bom na boca quando penso.  Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso.  Nunca se sabe qual é o defeito  que sustenta nosso edifício inteiro.  Depois de certo tempo  cada um é responsável pela cara que tem. Vou olhar agora a minha.

É um rosto nú.

E quando penso que inexiste  um igual ao meu no mundo,  fico de susto alegre. Nem nunca haverá.  Nunca é o impossível.  Gosto do nunca.  Também gosto do sempre.  E ninguém é eu, e ninguém é você.  Esta é a solidão.  É uma infâmia nascer para morrer,  não se sabe quando nem onde.  Minha força está na solidão.  Não tenho medo nem de chuvas tempestivas  nem de grandes ventanias soltas,  pois eu também sou o escuro da noite.

Não é saudade...

Eu tenho agora minha infância  mais do que quando ela decorria.  Não me posso resumir, porque não se pode  somar uma cadeira e duas maçãs.  E não me somo.  O fato de ter nascido me estraga a saúde.  O que é verdadeiramente imoral  é ter desistido de si mesmo.  Os fatos são sonoros.  O que importa são os silêncios por trás deles.  Que ninguém se engane,  só se consegue a simplicidade através de muito trabalho.  Renda-se, como eu me rendi.  Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei.  Não se preocupe em entender,  viver ultrapassa qualquer entendimento.  Vocação é diferente de talento.  Pode-se ter vocação e não ter talento, isto é,  pode-se ser chamado e não saber como ir..."

Texto: Clarice Lispector
Imagem: Litoral do Pacífico Equador/Dez-Jan 2011 (Fotografia: Moema N Queiroz fotografia © Copyright  Todos os direitos reservados)

4 de mai de 2011

... Mais vasto é meu coração... (por Carlos Drummond de Andrade)

"(...) 
Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração. 
(...)"
Trecho do poema de Carlos Drummond de Andrade (Poema de sete faces)
Imagem: Fotografia: Moema N Queiroz fotografia © Copyright  Todos os direitos reservados (Litoral do Pacífico: Equador/2011)