"Com todo o cuidado guarda teu coração, pois dele procede a vida" (Pv. 4, 23)

28 de ago de 2013

Interlúdio





"(...)

Há uma primavera em cada vida:
é preciso cantá-la assim florida, 
pois se Deus nos deu voz, foi para cantar! 
E se um dia hei-de ser pó, 
cinza e nada 
Que seja a minha noite 
uma alvorada, 
Que me saiba perder...
para me encontrar...."

Florbela Espanca
(trecho do poema Amar)





26 de ago de 2013

Fidelidade ao estar terrestre (Sophia de Mello Breyner Andresen)





"Um acampamento na bruma" - 1953



"Dai-me a casa vazia e simples onde a luz é preciosa. 
Dai-me a beleza intensa e nua do que é frugal. 
Quero comer devagar e gravemente 
como aquele que sabe o contorno carnudo e o peso grave das coisas.
Não quero possuir a terra, mas ser um com ela. 
Não quero possuir nem dominar porque quero ser: esta é a necessidade.
Com veemência e fúria defendo a fidelidade ao estar terrestre. 
O mundo do ter perturba e paralisa e desvia em seus circuitos o estar, o viver, o ser. 
Dai-me a claridade daquilo que é exactamente o necessário. 
Dai-me a limpeza de que não haja lucro. 
Que a vida seja limpa de todo o luxo e de todo o lixo. 
Chegou o tempo da nova aliança com a vida."

Sophia de Mello Breyner Andresen




Foto de 1953 " Um acampamento na bruma" - Autor não identificado
Expedição de reconhecimento no Rio das Velhas/MG


23 de ago de 2013

Fundo do Mar (por Sophia de Mello Breyner Andresen)

http://tifennpython.blogspot.com.br/

No fundo do mar há brancos pavores,
Onde as plantas são animais
E os animais são flores.
Mundo silencioso que não atinge
A agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas redondas,
Baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
No desalinho
Dos seus mil braços,
Uma flor dança,
Sem ruído vibram os espaços.
Sobre a areia o tempo poisa
Leve como um lenço.
Mas por mais bela que seja cada coisa
Tem um monstro em si suspenso.

Sophia de Mello Breyner Andresen
(Obra Poética I - Caminho)





18 de ago de 2013

Outra escolha

http://tifennpython.blogspot.com.br/
A dor de Medusa, 
quase todos desconhecem. 
Ela poderia ter tido uma segunda chance. 
E seus cabelos de serpente teriam se transformado em exuberantes 
e vibrantes 
e rubros
tons outonais. 
E toda sua beleza 
e força 
e poder
e paixão
teriam sido usados
 a seu favor 
ao invés de padecer 
nas mãos de Perseu...




http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/mitologia-grega/medusa.php

12 de ago de 2013

Pequena Epifania




" (...) Corra e olhe o céu

Que o sol vem trazer


Bom dia ..." 


Cartola















9 de ago de 2013









"Penso que as palavras essenciais que me expressam 
se encontram nessas folhas que nem sabem quem sou."

Jorge Luiz Borges (1899-1986)
em Meus Livros, Obras Completas v. III
(Editora Globo)







6 de ago de 2013

Hiroshima... Nagasaki.

Insanidade. 
Inocentes pagando pelos erros de gananciosos. 
A humanidade compondo suas história de terror
 com seu rastro de sangue... 
Triste humanidade.



"Lembro-me como se fosse hoje. Eu estava caminhando nas ruas da cidade quando a bomba caiu. Primeiro foi um clarão, depois uma escuridão. Então começou uma chuva preta, e as pessoas que estavam queimadas abriam a boca para tomar aquela água contaminada. Eu via pessoas queimadas, dilaceradas, (...) pedindo água e implorando por socorro."
Takashi Morita

"De repente escutei o maior barulho que ouviria na vida e vi um enorme cogumelo de fumaça, que misturava tons de preto, cinza, branco e rosa. (...) A gente tinha pouca comida. Havia batata doce na nossa horta, mas não dava para preparar de um jeito gostoso. No fim, a gente comia muita batata e só um pouquinho de arroz".
Mihoko Ikeda






Idosos sobreviventes do bombardeio, responsáveis do governo e delegados estrangeiros fizeram um minuto de silêncio às 8h15 local (20h15 Brasília), a hora da explosão que converteu a cidade em um inferno nuclear. O bombardeiro americano batizado de Enola Gay lançõu a bomba atômica no dia 6 de agosto de 1945, em uma ação decisiva para acabar com a II Guerra Mundial. O ataque matou 140 mil pessoas até dezembro do mesmo ano. Três dias após o ataque, outro avião lançou uma bomba nuclear sobre o porto de Nagasaki, matando 70 mil pessoas. Os bombardeios de Hiroshima e Nagasaki precipitaram a capitulação do Japão e o final da II Guerra Mundial, no dia 15 de agosto de 1945.


Hiroshima lembra 68º aniversário de ataque nuclear (Foto: Toru Yamanaka/AFP)


Um homem reza por vítimas do bombardeio de 1945 em Hiroshima.

(Foto: Kyodo/Reuters)




http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/08/hiroshima-lembra-68o-aniversario-de-ataque-nuclear-1.html