"Com todo o cuidado guarda teu coração, pois dele procede a vida" (Pv. 4, 23)

14 de out de 2013

Tempo Certo

Em um dos livros bíblicos – o Eclesiastes – há um texto de grande beleza. É o capítulo 3. Esse texto, que é atribuído ao sábio Rei Salomão, versa sobre o tempo e é uma preciosa lição. Diz que tudo tem o seu tempo determinado, e que há tempo para todo o propósito sob o céu.
Há tempo de nascer, e tempo de morrer. Tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou. Tempo de derrubar, e tempo de edificar. Tempo de chorar, e tempo de rir ou de dançar. Tempo de abraçar, e tempo de afastar-se. Tempo de buscar, e tempo de perder. Tempo de guardar, e tempo de lançar fora. Tempo de rasgar, e tempo de costurar.
Tempo de calar, e tempo de falar.
É uma sábia avaliação do ritmo e das leis que regem a vida. Nascemos quando precisamos de mais uma experiência na Terra. E devemos deixar o corpo, no momento exato em que já cumprimos nossa missão na Terra. Nem antes, nem depois, mas no exato momento em que Deus nos convida a voltar para a nossa casa celeste. Há a hora certa para falar: é quando nos dispomos a consolar o que chora, a emprestar um ombro amigo, a dar um bom conselho. Há o momento de silenciar, quando basta segurar a mão de alguém e transmitir solidariedade. E há o momento de calar, para não ofender, magoar, maltratar. Há o momento de plantar e o de colher. Não podemos esquecer que tudo o que semearmos livremente, seremos obrigados a colher mais tarde. É uma lei universal chamada causa e efeito: a vida nos devolverá na exata medida do que fizermos. Seríamos tão mais felizes se observássemos o momento adequado de todas as coisas. A vida requer olhos atentos. Não apenas os olhos físicos, mas as janelas da alma que são capazes de identificar necessidades e potenciais alheios. As almas sensíveis reconhecem a hora certa de agir.
Diz o texto do Eclesiastes que não há coisa melhor do que alegrar-se e fazer o bem. Somente um sábio seria capaz de dizer tão profunda verdade com tanta simplicidade! Viver contente com todos os aprendizados que a vida traz é uma arte pouco praticada e quase desconhecida. Saber alegrar- se com as pequeninas coisas de todo dia. Descobrir poesia em pétalas de flor, luares e poentes. E fazer o bem? Há atividade mais agradável aos olhos de Deus que amar todos os seres, respeitar a Criação Divina, impregnar-se de ternura? É esse sentimento de admiração à obra Divina que fez o sábio Salomão escrever: Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente. Nada se lhe deve acrescentar, e nada se lhe deve tirar.
Sim, diante da obra Divina, só nos cabe entender que nada acontece sem que o Pai Celeste saiba e permita. Embora debaixo do sol haja mais impiedade que demonstrações de amor, mais iniquidade que justiça, acredite: tudo está correto e seguindo a vontade Divina. Isso é tranquilizador.
O importante não é a maneira como os outros agem, mas como nós agimos.
* * *
Não se preocupe com os outros. Preste contas apenas de sua vida e de seus atos. Alegre-se com o amor de Deus, aja de forma reta, tenha a consciência asserenada pelo dever cumprido. Tudo isso se transforma automaticamente em felicidade." 




.



 
Redação do Momento Espírita. Disponível no livro Momento Espírita, v. 7, ed. Fep. Em 19.05.2008

13 de out de 2013

Possibilidades (Wislawa Szymborska -1923/2012)

A collection of sketches in a small book -  Tifenn Python


Prefiro filmes.
Prefiro gatos.
Prefiro os carvalhos ao longo de Warta.
Prefiro Dickens a Dostoiévski.
Prefiro-me gostando de indivíduos
a mim mesma amando a humanidade.
Prefiro manter uma agulha e linha à mão, em caso de precisão.
Prefiro a cor verde.
Prefiro não afirmar
que a razão é a culpada de tudo.
Prefiro exceções.
Prefiro sair mais cedo.
Prefiro falar com os médicos sobre outra coisa.
Prefiro as antigas bem alinhadas ilustrações.
Prefiro o absurdo de escrever poemas
ao absurdo de não escrever poemas.
Prefiro, quando o amor diz respeito, aniversários inespecíficos
que podem ser comemorados todos os dias.
Prefiro moralistas
que me prometem nada.
Prefiro bondade astuta ao tipo super confiante.
Prefiro a terra à paisana.
Prefiro conquistados a países conquistadores.
Prefiro ter algumas reservas.
Prefiro o inferno do caos ao inferno da ordem.
Prefiro os contos de fadas dos Grimm às primeiras páginas dos jornais.
Prefiro as folhas sem flores às flores sem folhas.
Prefiro cães com caudas não cortadas.
Prefiro os olhos claros, uma vez que os meus são escuros.
Prefiro gavetas.
Prefiro muitas coisas que não mencionei aqui
a muitas coisas que também deixei não ditas.
Prefiro os zeros à solta
àqueles alinhados atrás de uma cifra.
Prefiro o tempo de insetos ao tempo de estrelas.
Prefiro bater na madeira.
Prefiro não perguntar quanto tempo e quando.
Eu prefiro manter em mente a possibilidade
de que a existência tem sua própria razão de ser.






Canção da Plenitude (Lya Luft)

Le Sommeil Tranquille - Tifenn Python
,
 "Não tenho mais os olhos de menina 
nem corpo adolescente, 
e a pele translúcida há muito se manchou. 
Há rugas onde havia sedas, 
sou uma estrutura agrandada pelos anos 
e o peso dos fardos bons ou ruins.
 (Carreguei muitos com gosto e alguns com rebeldia.)

O que te posso dar é mais que tudo o que perdi: 
dou-te os meus ganhos. 
A maturidade que consegue rir 
quando em outros tempos choraria, 
busca te agradar 
quando antigamente quereria apenas ser amada. 
Posso dar-te muito mais do que beleza e juventude agora: 
esses dourados anos me ensinaram a amar melhor, 
 com mais paciência 
e não menos ardor, 
a entender-te se precisas, 
a aguardar-te quando vais,
 a dar-te regaço de amante 
e colo de amiga, 
e sobretudo
 força - que vem do aprendizado. 
Isso posso te dar: um mar antigo e confiável
 cujas marés - mesmo se fogem - retornam,
 cujas correntes ocultas 
não levam destroços
 mas 
o sonho interminável das sereias." 

Lya Luft




10 de out de 2013

Colecionador


http://tifennpython.blogspot.com.br/2010/07/sketches-in-small-book.html




"Sofro por causa do meu espírito
de colecionador-arqueólogo.
Quero por o  bonito numa caixa com chave
para abrir de vez em quando e olhar."

Adélia Prado