"Com todo o cuidado guarda teu coração, pois dele procede a vida" (Pv. 4, 23)

28 de ago de 2014

Oração...



"Quando estou passando
Por momentos tristes
Me curvo aos Céus em busca de força
Pois sei que ela existe
Na forma de coisas que são invisíveis
Na forma de tudo que existe de bom
No vento que sopra
Na água da chuva
No clarão da Lua
Num raio de sol..."





Imagem por Moema N. Queiroz 
Pôr de sol
© Moema N Queiroz. Please be respectful of copyright. Unauthorized use prohibited


Portus Cale...


"Há uma música do Povo,
Nem sei dizer se é um Fado
Que ouvindo-a há um ritmo novo
No ser que tenho guardado
Ouvindo-a sou quem seria
Se desejar fosse ser
É uma simples melodia
Das que se aprendem a viver
Mas é tão consoladora
A vaga e triste canção
Que a minha alma já não chora
Nem eu tenho coração
Sou uma emoção estrangeira,
Um erro de sonho ido
Canto de qualquer maneira
E acabo com um sentido!"







21 de ago de 2014

Tessitura © (por Moema N. Queiroz)



"- Lindo!!! O que não pode fazer a pena no promissor e excitante mundo de possibilidades de um folha de papel quando é guiada por mãos hábeis, fieis ao brilhantismo de seu mestre, seguidoras do compasso ensurdecedor de um romântico e desesperado coração?"

"- Little Bird, quando ouvi a melodia e tomei conhecimento da letra dessa música, meu coração me levou a lugares tão remotos... tão intensos... tão emocionalmente delicados... E rendi-me apaixonadamente ao poeta e às suas emanações profundamente densas... Como se minha epiderme pudesse toda envolver-se em cada palavra, em cada paixão posta nos versos tão cuidadosamente construídos... um arrebatamento profundo e definitivo. E a sensação de voluntariamente mergulhar nesse enlouquecedor abismo e  retornar ... rediviva..."

"- Você também é tão desesperadamente romântica ... como eu ... Obrigada por isso, por estar aqui quando eu me sinto cair como folha ao vento... voando e caindo ao chão no mesmo instante..."


"- Sempre..."



Afetuosamente,
Moema

...




“nalgum lugar em que eu nunca estive,alegremente além
de qualquer experiência,teus olhos têm o seu silêncio:
no teu gesto mais frágil há coisas que me encerram,
ou que eu não ouso tocar porque estão demasiado perto

teu mais ligeiro olhar facilmente me descerra
embora eu tenha me fechado como dedos,nalgum lugar
me abres sempre pétala por pétala como a Primavera abre
(tocando sutilmente,misteriosamente)a sua primeira rosa

ou se quiseres me ver fechado,eu e
minha vida nos fecharemos belamente,de repente,
assim como o coração desta flor imagina
a neve cuidadosamente descendo em toda a parte;

nada que eu possa perceber neste universo iguala
o poder de tua imensa fragilidade:cuja textura
compele-me com a cor de seus continentes,
restituindo a morte e o sempre cada vez que respira

(não sei dizer o que há em ti que fecha
e abre;só uma parte de mim compreende que a
voz dos teus olhos é mais profunda que todas as rosas)
ninguém, nem mesmo a chuva,tem mãos tão pequenas“


e. e. Cummings
(tradução de Augusto de Campos)


Texto:
Moema N Queiroz

Edward Estlin Cummings
Estados Unidos
1894-1962
Poeta/Pintor/Ensaísta/Dramaturgo
http://www.culturapara.art.br/opoema/eecummings/eecummings.htm

Zeca Baleiro - Nalgum Lugar ( E.E. Cummings ): http://youtu.be/FofwtLDjsFw

11 de ago de 2014

Meu olhar sobre as Perséiades de Agosto...

Perseu e Andrômeda, no céu se observam, imortalizados em duas constelações. Porém, seu pranto pela distância um do outro são sentidas através das suas lágrimas que como estrelas cobrem os céus - as Perseíades ou Perseidas. Em agosto, na segunda quinzena, esse lindo espetáculo ocorre, vindo da constelação de Perseus . 

"Uma perseida sobre o fundo da Via Láctea" 
As pesquisas nos apresentam "as Perseidas ou Perséiades como uma prolífica chuva de meteoros associada ao cometa Swift-Tuttle. São assim denominadas devido ao ponto do céu de onde parecem vir, o radiante, localizado na constelação de Perseus. As chuvas de meteoros ocorrem quando a Terra atravessa um rastro de meteoros. Neste caso o rastro é denominado de nuvem Perseida e estende-se ao longo da órbita do cometa Swift-Tuttle. A nuvem consiste em partículas ejetadas pelo cometa durante a sua passagem perto do Sol. A maior parte do material presente na nuvem atualmente, tem aproximadamente 1.000 anos. No entanto, existe um filamento relativamente recente de poeiras neste rastro proveniente da passagem do cometa em 1862. Situada a Sul da Cassiopeia, entre o Pégaso e o Perseu, Andrômeda é uma constelação que teve origem na mitologia grega. Neste mito são referidas outras constelações relacionadas com ele, como a Cassiopeia, Cefeu, Perseu e Baleia. Segundo essa lenda, Cassiopeia era rainha e mulher do rei Cefeu. Juntos, reinavam no então chamado reino da Etiópia (note-se que esta Etiópia é lendária e não coincide com o atual país, do mesmo nome, sendo que este reino incluía territórios que constituem, nos nossos dias, Israel, Jordânia e Palestina). Juntos tiveram uma filha, de seu nome Andrômeda. Cassiopeia, que era mãe de Andrômeda, era uma mulher muito bela, mas tinha um grande defeito: era muito vaidosa. E, um dia, ao pentear os seus longos cabelos, vangloriou-se de ser ainda mais bela que as cinquenta ninfas do oceano, chamadas Nereides (filhas de Nereu e Dóris). Ao saberem disto, as Nereides foram queixar-se a Poseidon (Deus dos mares, na mitologia grega), pedindo a este que desse uma lição à rainha da Etiópia. Poseidon enviou então um monstro (representado pela constelação da Baleia) com o objectivo de devastar as costas do reino de Cefeu e Cassiopeia. Preocupados, os súbditos do rei pediram-lhe uma solução, pelo que Cefeu se dirigiu ao oráculo de Ámon, a fim de obter uma resposta. Ao recebê-la, ficou aterrorizado: para que a fúria do monstro fosse amainada, Cefeu teria de oferecer a sua filha Andrômeda, como sacrifício, à Baleia. Não vendo outra alternativa, Cefeu decidiu amarrar Andrômeda a um rochedo, à espera que esta fosse devorada pela Baleia. Porém, Perseu, herói conhecido por ter morto a Medusa (monstro cujos cabelos eram serpentes e que tinha o poder de petrificar quem olhasse para ela) viu Andrômeda naquele tormento e perguntou-lhe o que se passava, pelo que esta lhe contou a triste história que a envolvia. Perseu dirigiu-se então aos pais de Andrômeda e, depois de a ter pedido em casamento, usou a cabeça da Medusa para petrificar a Baleia. De seguida, Perseu libertou Andrômeda do rochedo a que estava presa e acabaram por se casar, sendo que, desta união nasceram seis filhos, dos quais se salientam Perses (antepassado dos reis persas) e Gorgófone (mãe de Tíndaro, futuro rei de Esparta)."


...


Enquanto inúmeras explicações científicas são verbalizadas, teorizadas e matematicamente comprovadas sobre as chuvas de meteoro, nada, absolutamente nada consegue diminuir a magia e a beleza em meus olhos ao mirar o céu e deixar fluir em mim a vibração da sonoridade e das palavras do mantra que me invade as células e o meu espírito a me dizer que ...

"a paixão é como um Deus
que quando quer 
me toma todo o pensamento... 
dirige os meus movimentos... 
meu passo é dela, 
meu pulso é desse todo poderoso sentimento..."




... e ecoa em mim essa insistente Vida ...



Com afeto
Moema





5 de ago de 2014



"O senhor mire, veja: o mais importante e bonito, 
do mundo, é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, 
ainda não foram terminadas - mas que elas vão sempre mudando. 
Afinam ou desafinam, verdade maior. 
É o que a vida me ensinou. 
Isso que me alegra montão. " 

Grande Sertão: Veredas
Guimarães Rosa 
[1956]





http://pt.wikipedia.org/wiki/Grande_Sert%C3%A3o:_Veredas
Imagem: http://belen-lopez-bailaora.skyrock.com/2876504104-ENTREVISTA.html